Prancha é ótima opção para isometria no Pilates





Se você faz pilates, certamente já se deparou em algum momento do treino, com a famosa prancha, que é quando o corpo fica suspenso em quatro apoios sobre o solo e precisa ficar imóvel durante um determinado tempo. Apesar de não haver movimentos nessa prática, a força exercida pelo abdômen, pelo peito, pelas costas e glúteos é imensa.

95 exercícios de Pranchas e Esfinges

Manter-se nessa posição fixa, enquanto os músculos permanecem acionados e fazendo força é o que chamamos de isometria, uma grande aliada para desenvolver a consciência corporal e fortalecer a musculatura, sem que haja uma sobrecarga nas articulações.

O pilates geralmente não trabalha apenas um músculo de forma isolada. Muitas vezes, o movimento está acontecendo em um segmento e, ao mesmo tempo, existe a contração de outra cadeia muscular para estabilizar aquela postura.

Muito presente no pilates, a isometria aparece não só na prancha, mas em vários exercícios, podendo ser apontada como um dos pilares da contrologia. Em certos movimentos, um grupo muscular precisa estar acionado para garantir a postura correta e a fluidez na execução do exercício, por exemplo. Esse trabalho conjunto e simultâneo de várias regiões do corpo é o que faz do treino, algo tão completo e eficaz.

Especialmente indicada para evitar lesões ou para quem está se recuperando de alguma, a isometria também aumenta a resistência dos ligamentos e tendões, gerando maior flexibilidade para o praticante, que por sua vez, melhora o desempenho, inclusive em outras modalidades esportivas.

Apesar de todos esses benefícios, a isometria é contraindicada em alguns casos. Crianças, idosos, fumantes, sedentários e hipertensos estão num grupo de risco. Daí a importância, mais uma vez, de contar sempre com o acompanhamento de um especialista durante a prática de qualquer exercício físico.



Comente:

Nenhum comentário